Por que Ostras Azuis?

Na infância tive um sonho lúdico, sonhei que vivia numa cidade no fundo do mar e que o meu ofício era "garimpar" ostras azuis. Estas ostras possuíam, no seu interior , pérolas
de todas as cores, cheias de luz (energia ) , que serviam de alimentação a todos os habitantes da cidade.
Percebo agora o que significam essas OSTRAS, elas são na verdade todas as idéias que encantam e alimentam a alma. Portanto este espaço azulado pertence a todos aqueles que se alimentam de:

Olá!

Ao visitar o nosso espaço deixe seu comentário. A troca de conhecimentos, informações e idéias é, ao meu ver, muito gratificante.
Agradeço a todos.

Visite-nos e cadastre-se:

terça-feira, 27 de dezembro de 2011

Andrew Jackson Davis - The Summer Land (Terra de verão)


Andrew Jackson Davis, um dos Precursores do Espiritismo
Fenômenos e livros publicados antecedem a Codificação Espírita
 
Yeda Hungria
 
Por ocasião de nosso roteiro de palestras nos Estados Unidos, em setembro-outubro deste ano, pudemos pesquisar a vida do pioneiro do moderno espiritualismo na América, conhecido nos meados do século 19 como o vidente de Poughkeepsie. 

Dotado de múltiplos talentos psíquicos, Andrew Jackson Davis produzia, em transe hipnótico-mediúnico, diagnóstico médico e tratamento de doenças utilizando sua visão transcendente no corpo humano, que lhe era exibido em transparência. A despeito da reduzida cultura, deixou mais de trinta livros incursionando por diversas áreas do conhecimento. Mediunizado, expressava-se corretamente em outros idiomas e manifestava qualidades de “profeta”.



Andrew Jackson Davis, o precursor do Espiritismo

Em busca de seu passado, fomos ao Primeiro Templo Espiritualista, em Brookline, Massachusetts, fundado em 26 de setembro de 1883 por Marcellus Ayer. Grande amigo de Davis, pesquisavam juntos os fenômenos psíquicos, pregavam o espiritualismo e divulgavam as propriedades da psicometria. 
Durante o ofício religioso no Templo, presenciamos o transe mediúnico do Rev. Robert Slater em que fez reflexões evangélicas, exortou a fraternidade entre os povos e suplicou por encarnados e desencarnados atingidos pelo furacão Katrina. A cerimônia concluiu com a oração universal – o Pai Nosso. 
O dirigente do santuário, Rev. Stephen Stefanidakis, bastante conhecedor da história do espiritualismo nos Estados Unidos, nos fez uma exposição sobre Davis e indicou a Biblioteca Pública de Jamaica, dali distante, onde obteríamos mais subsídios, o que de fato sucedeu. 

Dias depois, em Poughkeepsie, Nova York, onde viveu Davis, surpreendemo-nos, na biblioteca pública, com a coleção completa da primeira edição dos seus livros, publicados a partir de 1847, resistindo 158 anos à ação do tempo. São autênticos tratados – ainda reeditados – de filosofia, ciência, vida espiritual, evangelismo, conhecimentos gerais, relações humanas, entre outros temas.

Um de seus livros, The Summer Land (Terra de verão), de 1876, fala da existência de uma cidade espiritual situada na Via Láctea. Para os espiritualistas, era o paraíso.



Colônia Espiritual de Summer Land, na Via Láctea


Vale destacar a semelhança com a colônia Nosso Lar, conforme descrição de André Luiz a Chico Xavier, em obra publicada em 1944. 

Infância difícil

Davis nasceu em 11 de agosto de 1826, no povoado de Blooming Grove, no vale do Hudson. Seu pai, Samuel Davis, pobre, analfabeto, alcoólatra, sobrevivia como tecelão, lavrador,  sapateiro e outros, consoante a conjuntura local. Sua mãe, igualmente iletrada, sempre doente, profundamente religiosa, manifestava sensibilidade de vidência. À procura de trabalho, a família se deslocava constantemente entre pequenas cidades ao norte do estado de Nova York.

Davis crescera na penúria e recebera apenas cinco meses de instrução escolar, o que o limitara culturalmente na juventude. Desde a infância, no entanto, ouvia vozes e apresentava indícios de clarividência.

Na adolescência, empregou-se em Poughkeepsie como aprendiz de sapateiro e depois em um armazém, mas não se adaptou ao serviço.


“A Grande Harmonia” influenciou diversas correntes do pensamento americano

Aos 17 anos, interessara-se por hipnotismo após assistir a demonstrações de um certo Mr. Grimes, em visita à cidade. À época, hipnotizadores se exibiam em palcos, provendo-se da venda de ingressos. Grimes tentou, sem êxito, hipnotizar Davis, todavia, tempos depois, um alfaiate do povoado, de nome William Levingston, logrou submetê-lo repetidas vezes à hipnose, com fins terapêuticos.

Fenômenos

Em 1844, foi transportado, em desdobramento, de Poughkeepsie às frias montanhas de Catskill, distantes 64 km, onde o aguardava o espírito do célebre médico grego Galeno (131-200). Em longa entrevista, o sábio revelara o compromisso de Davis com os enfermos do corpo e da alma, e pusera-lhe à disposição uma equipe de espíritos consagrados a curas. Acompanhava Galeno o cientista e teólogo sueco Emanuel Swedberg (1688-1772), conhecido como Swedenborg, que prometera instruir e guiar o sensitivo em suas prédicas. 

De 1843 a 1845, mediunizado sob o comando hipnótico de Levingston, Davis produzia com eficácia diagnósticos e tratamentos de saúde, como faria Edgar Cayce a partir de 1901.

Em 1845, priorizou a escrita mediúnica e iniciou longo período de constantes viagens reproduzindo os ensinamentos dos seus assistentes espirituais. Até1847 proferiu quase duas centenas de palestras em Nova York, em transe mediúnico conduzido pelo hipnotizador Dr. Lyon. Inspirado por Swedenborg e outros espíritos, abordava em geral temas científicos, filosóficos e históricos – transcritos e publicados em seus livros ao longo de dez anos. 

O primeiro deles, Os Princípios da Natureza, sua divina revelação e uma voz para a humanidade, de 1847, enciclopédia de oitocentas páginas, traz notícias sobre a origem do universo, história das religiões, criação e destino do espírito, reencarnação, comunicação dos espíritos com os encarnados, pluralidade dos mundos habitados, planos astrais compatíveis com a mente dos habitantes, consolidação do espiritualismo na América e outras revelações do mundo extrafísico. 



A primeira edição da enciclopédia “Os Princípios da Natureza”

Importante notar que Os Princípios da Natureza... antecede em dez anos o primeiro livro da Codificação Kardeciana, e com este guarda notável identidade, o que atesta a universalidade dos ensinos dos espíritos. A obra teve 34 edições em menos de trinta anos.

Davis recebera algumas vezes, em suas reuniões, a participação do poeta, escritor e crítico americano Edgar Allan Poe, entre outros intelectuais admirados com o saber científico transmitido pelo rapaz. 

Prenúncio

Em 31 de março de 1848 anotara em seu diário: “Esta manhã, quase à luz do dia, ouvi uma voz terna, mas forte, dizendo: ‘Irmão, o bom trabalho começou.’ Surpreendi-me com o que pudesse significar tal mensagem.” 

Ignorava Davis que naquele momento, não muito longe dali, em Hydesville, aconteciam fenômenos extraordinários de efeitos físicos na cabana da família Fox. O epílogo e suas causas desencadearam o movimento espiritualista na América, com Davis e, mais tarde, o surgimento do Espiritismo na França, com Kardec.

A declaração daquela “voz terna, mas forte”, de que “o bom trabalho começou”, aludia aos fatos em curso em Hydesville com o propósito de despertar a atenção do mundo para a realidade da vida após a morte.
A grande harmonia, o seu mais notável trabalho, publicado em cinco volumes na Súmula espiritualista, entre os anos de 1850 e 1855, teve o mérito de influenciar fortemente os conceitos social, educacional, médico e religioso ortodoxo nos Estados Unidos.

Em 1863, falando na cidade de Nova York, descrevera o que seria a educação das crianças nos jardins de infância da cidade espiritual mencionada em The Summer Land – os Liceums, mesmo nome usado na América em programas de alfabetização de adultos. Davis motivara com sucesso os ouvintes a instalarem escolas semelhantes com o objetivo de ampliar o potencial da criança, em vez de impor somente o conhecimento. 

Em 1878, fundara a First Harmonial Associated of New York, de orientação espiritualista, mas desapontara-se com a maioria dos freqüentadores, que preferiam assistir a fenômenos  a examinar e discutir sua essência filosófica. Era um purista do espiritualismo.

Davis se diplomara em medicina pelo United States Medical College, de Nova York, e fora clinicar em Boston, Massachusetts, onde tornara-se destacado amigo do espiritualista Marcellus Ayer. 

Casado por três vezes, embora apologista da teoria das “almas gêmeas”, obstinado defensor da mudança da sociedade pela transformação do homem, preocupava-se também com a educação e o preparo do ser humano para a vida além da carne. Dizia que o homem se capacita para viver na Terra, mas não para viver no país dos espíritos.


Fachada do Primeiro Templo Espiritualista, em Brookline, Massachusetts

Andrew Jackson Davis, o vidente de Poughkeepsie, o médium curador de doenças, o iniciador do moderno espiritualismo na América, um dos precursores do Espiritismo, retornou ao mundo da luz aos 84 anos, em Boston, no gélido13 de janeiro de 1910, após aquecer inúmeros corações...

Fontes:

Primeiro Templo Espiritualista. Brookline, Massachusetts.
Biblioteca Pública de Jamaica, Massachusetts.
Biblioteca Pública de Poughkeepsie, Nova York.
Andrew Jackson Davis – T. Peter Park.
 
A autora é expositora e pesquisadora espírita; integra o quadro de Diretores da Federação Espírita do Estado do Rio de Janeiro-RJ. 


Artigo publicado originalmente na Revista Internacional de Espiritismo, Janeiro de 2006, e reproduzida com autorização da autora

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ocorreu um erro neste gadget

Mapa de Visitantes

free counters
Ocorreu um erro neste gadget
Loading...

Nosso Lar

Nosso  Lar
Ouça o ÁudioBook

Existe vida após a morte ?

Amazon MP3 Clips

Windows Live Messenger

Atalho do Facebook

Enquete:

Chat Ostras Azuis

Web_Cams_Travel

Ocorreu um erro neste gadget